Capitulo 5

Não! Eu disse isso! Eu poderia receber palmadinhas nas costas por minha coragem, por me expor assim novamente. Eu tento medir a emoção em seu rosto, mas às vezes ele é tão difícil de ler.
Eu ouço sua ingestão aguda de respiração, as nuvens de trovão rolando em seus olhos.
– Anastasia, eu não quero jogar e eu não quero levar isso adiante. Eu não sei se podemos sempre confiar um no outro novamente. – suas palavras são concisas e certas, enquanto seu olhar está me pedindo para entender. Uma infinidade de vincos entre suas sobrancelhas, como se distorcessem suas feições com o peso de suas palavras.
O sangue e a respiração deixam o meu corpo, ao mesmo tempo, simplesmente evaporam. Como um mecanismo de enfrentamento projetado para um desgosto insuportável, a minha cabeça assume a  distância entre nós.
Mas ele disse que estava quebrado também!
Eu acho que o choque e a dor são clara em meu rosto pálido, enquanto ele tenta explicar

– Dói tanto Anastasia, se meu coração estava escuro antes …..- Ele fica mudo, todos os vestígios de 50 tons brincalhão desaparecem como um truque de mágica, olhos lançam um brilho de medo. Seu aperto em minhas mãos é forte.
– Eu não acho que eu posso …. – continua ele – Se eu voltar….. como isso poderia funcionar? – Ele parece totalmente abatido, olhos ardentes, exatamente como a questão que rasga o buraco mais profundo em minha consciência.
– Além disso – ele respira fundo e vejo-o a encontrar o seu centro mais uma vez, seu olhar focado mais uma vez como se ele espantasse sua vulnerabilidade – Não existe só a gente.
Como ele faz isso, encontra seu equilíbrio, apesar de sua turbulência emocional? É claro como o dia que ele quer ficar comigo, mas seu imenso auto-controle , trava uma batalha para o impedir. Isso é um muro muito dificil.
– Não – eu gaguejo  – Sim …, é claro, você está certo.- eu sussurro envergonhada, engolindo em seco contra a massa seca em expansão na minha garganta. Eu afundo meus dentes em meu lábio inferior para conter as lágrimas escondidas. Eu não posso olhar para ele e eu não posso tirar minhas mãos fora de seu alcance. O que diabos eu estava pensando, o que na terra que eu esperava?
– Eu não quero te machucar – ele reconhece a minha angústia, seus olhos tristes focados intensamente em mim  – E se eu investir nisso, em você e em uma criança e você correr … Ana ….- sua voz é suave, tensa e triste por trás de seu raciocínio. – Isso vai me matar.
Ele aproxima as mão da minha boca e libera meu lábio preso dos meus dentes. Meu controle se esvaindo, sua preocupação é cativante e eu sei que eu devo sair neste instante. se eu quiser evitar um colapso completo na frente dele. Eu passo a mão sobre meus olhos molhados forço as minhas pernas bambas para empurrar a cadeira para trás e ficar de pé – Eu tenho que ir – eu não suporto olhar para ele, a minha voz é um murmúrio rouco e o mundo ao redor, borrão instável.
– Anastasia, você não pode sair assim! – ele se levanta e faz uma tentativa de pegar o meu braço, mas eu já estou fora de seu alcance.
Minha luta ou fuga é uma injeção de adrenalina no meu corpo, obrigando-me a agir quando eu percebo que eu não vou conseguir escapar dele se eu nao correr. Estou ciente de que ele está me seguindo então eu apresso meus passos, correndo pelo saguão e em um momento de inspiração, entro no banheiro feminino. Um breve momento de alívio quando eu o encontro vazio.
É pequeno, mas luxuoso com uma confortável poltrona no lounge que eu agradecidamente me deixo afundar. Soluços enormes quebrando meu corpo enquanto eu mantenho minhas mãos sobre meu rosto. É claro que para mim, apesar de não estármos juntos, havia sempre um esperança. Espero que talvez um dia pudéssemos ficar juntos. A fantasia secreta e cobiçada que eu alimentei durante os ultimos 5 anos agora era profundamente esmagada, enterrada até a poeira, pelo golpe da realidade.
O tempo e o espaço se tornam abstratos. Eu estou tão profundamente absorta em meus pensamentos, nutrindo minha dor que eu sinto que o mundo parou ao meu redor. Existe somente eu nesse vazio que é meu coração. Sinto um cansaço profundo, minha vontade é me deixar cair,machucada e quebrada. Quando a consciência afunda lentamente por minha mente, é apenas o suficiente eu me perguntar por que Christian não me seguiu até aqui dentro, e eu fico bem agradecida que ninguem tenha entrado também e se intrometido na minha miséria.
Eu ando a curta distância até a pia de mármore. Quando eu me olho no espelho eu posso ver o peso da dor. Meus olhos vagos são avermelhados e manchados com pedaços de rímel. Manchas feias estão sobre minhas bochechas, onde as faixas de lágrimas correram.
Eu jogo água fria em meu rosto e me seco. O que um erro épico na minha opinião. Mais uma vez! Eu libero um longo suspiro, e soluços escapam do meu peito, me falta coragem para enfrentar o mundo lá fora.

Pelo menos há o amanhã, eu me agarro desesperadamente na promessa de meu encontro com Julie Logan – uma pequena fresta consoladora.
Quando eu abro a porta eu tenho que desviar de um cone de transito laranja, solitário, de pé no pequeno corredor que leva ao banheiro feminino. Coisa estranha! Eu olho pra trás, pra ver se tem algum aviso na porta. Existe um sinal improvisado – um papel branco com as palavras digitadas em preto “Fora de serviço”  Cada movimento e pensamentos meus param abruptamente, e eu inspiro em compreensão. Minha mão voa para minha boca: Christian!
Como é que mesmo nas mais ferradas situações, ele ainda consegue puxar o tapete de debaixo de mim, fazendo estes gestos totalmente românticos? Em momentos como estes, que ele está tão em sintonia com o que eu preciso, que eu imagino que nossos corpos devem ser metafisicamente conectados. Ele tira o meu fôlego.
Essa coisa simples, criando um espaço privado para eu chorar é tão profundamente comovente. Tão gentil e carinhoso, tão típico do Christian meu coração incha de amor por ele. Isso também é contraste com sua recusa em tentar novamente e ele deixa obvio o quão assustado está.
Nossa conexão ainda está lá, inegável e forte como sempre,  seus sentimentos são palpáveis ​​para mim, mas ele escondeu-se atrás de um muro, o ergueu como escudo contra todas as emoções invasoras. Ele nunca vai quebrá-lo. Se eu quero ele de volta vai ter que vir de mim. Vou ter que tirar todos os tijolos para chegar a ele. Eu sei o quanto eu sou o culpada, pela construção deste muro, por isso é justo que eu deva ser a única a derrubá-lo. Não tenho tempo para afundar em auto-piedade. Eu nunca vou ser capaz de compensar o que eu fiz e é vital que eu faça, isso por ele, por Chris e por mim.
Resolvido! Pela primeira vez eu sou capaz de colocar suas necessidades acima das minhas próprias. Apesar da dor e os danos Eu farei tudo o que estiver ao meu alcance  para nos fazer uma família novamente.
Yes! Meu subconsciente e minha deusa interior batem as mãos.
Meus passos são firmes com meu novo propósito, mas sou rapidamente interrompida quando eu fico cara a cara com um agitado Christian. Ele está esperando por mim, provavelmente andando pelo tapete até fazer um buraco no chão. Seu cabelo sexy é um emaranhado, o rosto sombrio combina seus olhos preocupados. Ao me ver ele pisca em alívio, enquanto uma mão empurra através de seu cabelo subjacente a sua incerteza. Seus dedos correm para o meu cotovelo enquanto ele me dirige a um lugar tranquilo.
– Sinto muito Anastasia- ele está me observando cuidadosamente como se eu fosse um animal arisco prestes a atacar – Você está bem? Por favor, venha até minha suíte, você acabou de chegar, fique mais um pouco, eu não quero que você vá, não assim.- Seu tom é insistente e suplicante, os olhos correndo nervosamente para uma indicação de meu próximo passo.
Estou dividida. Eu simplesmente não posso chorar mais, mas deixando-o agora, eu sei que ele só vai se preocupar comigo. Estou surpresa e satisfeita com a forma que eu entendo como a sua mente funciona. Meu subconsciente me dá dois polegares para cima – sim, nós o conhecemos bem. Aqui está a minha primeira chance de desbastar a parede.
Eu olho para ele e através dos meus cílios, dando-lhe um sorriso tímido, – Ok. -, eu cedo.
Por um momento, ele parece surpreso, mas se recupera rapidamente e aperta a mão na minhas costas para me guiar para os elevadores. Tenho a impressão de que ele está nervoso, como se eu pudesse mudar de idéia.
Eu respiro firmando enquanto entro no elevador. Hummm, espaços confinados, com 50 tons. Mesmo com todos os esforços não posso suprimir a resposta servil do meu corpo, não adianta. Em poucos segundos as faíscas estão incitando, gravetos e meus engates respiração, deixando-me tonta de desejo.
Felizmente o Sr. Bonito também é afetado. Sua postura é casual, mas ele está batendo o cartão-chave  no corrimão dos lados do elevador e olhando para a frente no display digital acima da porta. Eu nunca o vi assim antes, ele está vibrando com uma energia nervosa. Pelo menos eu não estou sozinha em minha queimadura lenta de desejo.
Como um tiro ele está fora da porta no momento em que ela se abre. Quando ele se lembra que esta rapido demais e diminui para dar tempo  de chegar perto. Eu observo seu pomo de Adão subir e descer enquanto ele engole tenso. Ele realmente deve estar abalado.O Sr.Super-controlado não faz nada para diminuir o aumento da minha libido, muito pelo contrário.
Ele abre a porta e se afasta para eu entrar. Graciosamente enquanto eu posso controlar, eu passo por ele, de cabeça erguida e me viro para observá-lo enquanto eu espero por um convite para sentar.

Sua antiquada e cavalheiristica maneira apareceu – Por favor – suas elegantes mãos indicando o sofá, seus movimentos pareciam um pouco forçados – Sente-se Anastasia; posso pegar algo para beber?
Eu espelho sua formalidade, – Obrigada…- eu acrescento – Pela gentileza senhor –seria idiotice provocá-lo agora, para não mencionar perigoso. – Eu gostaria de um copo de água.- eu me sento na beira do sofá e observo  um segundo para estudar a sua postura enquanto ele serve as bebidas. Eu suspiro de prazer, ele realmente é espetacular.
Ele me entrega um copo e toma um gole profundo de sua própria bebida antes de se sentar na minha frente. Ele olha para o âmbar da batida, talvez em busca de inspiração. – Ana, eu quis dizer o que eu disse, eu não quero te machucar e o mesmo penso em relação ao Chris, eu não poderia ser parte de algo que prejudicaria uma criança.
Apesar do fato de que não deveria, me choca que ele saiba o nome de Chris. Ele deve ter feito a pesquisa ontem. Ou tem Welch fez por ele. Meu coração bate dolorosamente.
Sem choro! Meu subconsciente está sacudindo um dedo de advertência para mim.
Meu coração se derrete com a lembrança da criança que Christian foi, desnutrido, sujo, mal amada e desprotegido, sofrendo abusos além da resistência. Não, ele nunca faria mal a uma criança, mas no fundo do meu coração eu sei que Chris vai ser a chave para nos unir. Eu sei que eu não posso forçar muito, isso é algo delicado pra ele.

– Eu sei que você nunca iria machucá-lo – eu digo baixinho – Ou a mim – eu relutantemente adiciono. Eu inclino a cabeça, uma ultima tentativa de lembrá-lo de seus sentimentos por mim. – Eu realmente gostaria que você o conhecesse. Podemos ir devagar, sem grandes admissões ou qualquer coisa … você sabe … traumática -eu mantenho o meu tom e minha voz esta baixa, enquanto eu dou uma olhadinha para ele.
Se eu tenho alguma esperança que meu plano de certo, esse é o momento crucial. Eu quero que ele queira se encontrar com Chris. Não é algo que eu posso forçá-lo, isso deve vir dele. Eu sei que uma vez que ele se acostume com a idéia de Chris e experimente a alegria da paternidade, o seu instinto natural vai querer criar uma unidade familiar estável.
Estou apostando no fato de que ele vai me escolher para ser a matriarca. Eu ainda não tenho idéia se existem ou existiram  outras quando eu o deixei, então eu estou apostando todas as minhas fichas nisso, apenas baseada nos ultimos fatos e na emoção que vi nos olhos dele até agora. Ele parece mais calmo eu estou mais confiante do que nunca do seu amor por mim. Como é estranho.

– Você quer conhecê-lo?- eu procuro o seu rosto, ansiosa para pegar todas as micro emoções que esvoaçam por ele. Ele é tão educado em manter suas emoções sob controle tornando-o muito difícil de ler.
Ele levanta da sua cadeira e anda para atras de mim ,com as mãos agarrando seu cabelo. Oh merda! Ele anda de um lado pro outro e de repente para em frente a mim e para o seu rosto aborrecido no meu

– Ah, foda-se Ana! Eu não sei …. o que eu quero! – ele parece confuso, mas eu também detecto uma fração de esperança.
Sim!
Eu me levanto e caminho para perto dele, coloco minha mão em seu rosto, e ele se inclina para o meu carinho. Eu mantenho meus olhos fixos sobre ele – Eu entendo que você está ansioso, entendo de verdade, mas você é o pai dele.- eu coloco minha mão sobre o seu coração e mantenho minha voz firme. – Eu sinto muito que eu mantive vocês dois separados, pai e filho, que devem permanecer juntos.- minhas mãos caem para os lados, o meu olhar vagueia pela suite. – Mais do que você jamais saberá.
Mantê-los juntos! Com todo o meu ser eu vou recuperar seu tempo com seu filho.
Por um momento, ele parece indeciso, uma mistura tristeza, de incerteza e relutância estragam seu rosto marcante. Mais uma vez uma mão viaja através de seu cabelo quando ele toma e se senta. Eu o observo, enquanto a hesitação dá lugar a resolução e sua tensão recua como onda a ser atraído de volta para o oceano.

– Tudo bem. – ele acena com a aquiescência e eu deixo um suspiro que eu não estava ciente de que eu estava segurando sair – Sim, eu vou fazer isso. Vou passar algum tempo com ele.
Eu lhe dou um sorriso cauteloso e encorajador  – Obrigado Christian, isso significa muito para mim.-  por enquanto eu vou esquecer o assunto e permitir-lhe um minuto para se aclimatar à sua decisão, mas eu o conheço muito bem. A qualquer momento a enxurrada de perguntas vai começar e, em seguida, como se fosse uma deixa eu ouvi a sua respiração funda começar .

– Como é que você quer fazer isso? Como você vai me apresentar? – seu rosto é moldado com a ansiedade de novo enquanto ele contempla as opções.
Eu não posso deixar de sorrir um sorriso secreto. Mesmo Christian parece saber que não importa o quão rico e bem-sucedido você é, as crianças pequenas tem pouco conhecimento de coisas enquanto suas mentes inocentes deletam o absurdo do superficial e olham diretamente para sua alma. Chris vai ve-lo como um pai? Christian vai ve-lo como um filho? Estou disposta a cobrir todas as minhas apostas de que eles vão.

– Bem, como ele já te viu no zoológico, eu posso facilmente apresentá-lo como um amigo , eu acho que encontro em um lugar adequado para crianças, seria o ideal. Em algum lugar que todos nós poderíamos fazer algo juntos. Talvez um lan …. ”
Suas ordens ao telefone interrompem o que eu estou falando ,provavelmente ele fala com Taylor:

– Eu preciso de um lugar para crianças, algo com algumas atividades onde podessamos ir amanhã.- ele levanta uma sobrancelha para mim e eu aceno com a confirmação, murmurando ok em resposta.
Quando ele termina a sua chamada ele está eriçado com eficiência.
– Taylor vai voltar para mim. Que horas devo enviar o carro? E só para você saber –  seu olhar é firme e seu comportamento é duro, nao me permetindo nenhum argumento – Isto não é um pedido. Taylor pode organizar alguns detalhes de segurança extra e eu insisto que você viaje comigo para que eu possa mantê-los seguros.
– Isso é bom – eu estou ansiosa para mostrar minha nova atitude cooperativa – Eu devo estar livre da minha reunião um pouco antes do almoço e devo levar cerca de meia hora até voltar ao hotel.
Tarde demais eu percebo que eu deixei escapar essa informação. Oh merda, merda,merda,merda! Eu não quero dizer nada sobre a reunião. O Sr.Influencia Indevida pode fazer uma aparição indesejada e eu não quero dever nada a ele. É importante para mim que eu faça isso por mim, ficar no meu próprio mérito. Se eu precisar da força de publicidade do Grey atrás de mim para ter sucesso não vale a pena fazer.
– Taylor pode levá-la para a reunião e trazê-la de volta. – ele rejeita o meu problema com um movimento de seu pulso imperturbável.
– Hum, eu … isso não será necessário, mas obrigado – eu falo rapidamente. Meus pensamentos se esforçam para uma explicação plausível. Ai Caraca! Isso seria muito mais fácil se eu tivesse me preparado para essa conversa com antecedência. – Um carro já foi arranjado.- eu improviso e finjo interesse no tapete para esconder a mentira em meus olhos. Meus dedos nervosos alisam o braço do sofá.
Eu nunca poderia ter mentido para ele, agora eu despertei seu interesse. Por que as coisas nunca saem como planejado quando ele está por perto? Ele dirige sua atenção para mim.

– Com quem você vai se encontrar Anastasia? – sua expressão é algo entre irritado e curioso ao mesmo tempo que sua voz adquire um tom suave que sempre marca a sua ira. Ele mudou de posição, sentado na beira de sua cadeira, observando.
Porque eu não quero que ele saiba e eu não sei como contornar dizendo-lhe, algo não comprometedor, embora eu provavelmente não vá conseguir fugir dele – vale a pena tentar. – Nada de grave, apenas algumas empresas.- eu minimizo
– Que empresa Anastasia, você será uma garçonete metade do dia, uma miserá bibliotecária da cidade? – sua irritação é óbvia e seu tom de voz, gelado e de desprezo. Ele coloca as mãos, entrelaçando os dedos e espera com impaciência mal contida.
Minha polêmica ascensão, bastardo! – É da sua conta? – eu cuspo de volta para ele.
Olhe pra você…. É o meu subconsciente cambaleando para trás.
Minhas palavras batem nele e ele recua. Imediatamente, ele reorganiza suas feições, — Eu sinto muito.- com a mão na cintura e a outra correndo através de seu cabelo, um esforço para controlar seu mal temperamento evidente. Eu não posso perder o fato de que ele também parece um pouco mal.
O tempo passa por nós como o brilho um para o outro tentando mais uma vez para encontrar o nosso equilíbrio. Nós dois soltamos um longo suspiro e ele se senta novamente, relaxando na cadeira com um olhar fresco guardado para me lembrar como emocionalmente arisco ele pode ser.
Ufa! Crise evitada. Eu dou a minha própria ira mais alguns instantes para derreter. Uau,com certeza sabemos discutir bem!
Mentalmente eu revejo a forma como a conversa foi tão longe. Eu também acho que é hora de embrulhar as coisas, antes de eu faça algo estúpido. Raiva, contrações e espaços confinados com 50 tons é obrigatório pegar fogo e eu não quero perder o chão que eu ganhei hoje. Eu não posso dar ao luxo de perder a cabeça, como eu fiz ontem …..
Minha deusa interior discorda veementemente. Ela senta-se, de olhos brilhantes e pronta para a ação, mas eu a ignoro.
Eu me endireito e me levanto do meu lugar para fornecê-lo uma pista que eu estou prestes a me despedir. Há uma pequena perder coisinha que eu ainda preciso amarrar hoje. Ele precisa saber que eu vejo o que ele faz por mim  – Obrigado pela suíte nova para o … hum … a privacidade … no banheiro feminino – eu tropeço minhas palavras enquanto quero enfiar meu rosto num balde d´agua para esconder o meu embaraço. Meus dedos são atados no meu colo.

Sua resposta me surpreende – Eu sinto falta desse delicioso rubor- ele respira – De nada Anastasia.- olhar límpido e sereno – no comando novamente. Sr. Controle no seu melhor.
Arg! Ele é tão confuso. Agora seus olhos estão sorrindo para mim. Ele coloca as duas mãos em suas coxas enquanto ele levanta, sua graciosidade fácil sempre fazendo seus movimentos parecem tão fluido. Ele estende a mão para mim. Depois de uma pequena pausa eu aceito e ele me puxa para cima. Estou hipnotizada por ele – presa enquanto razão e julgamento flutuam preguiçosamente pra longe. Talvez um beijo? Meu corpo implora ,eu posso sentir o calor que vem do seu corpo, seu perfume unico,seu o cheiro de Christian, isso está varrendo a minha sanidade mental pra longe.
Ele se aproxima do meu rosto e enfia uma mecha de cabelo atrás da minha orelha. Sua mão permanece no meu cabelo e, em seguida, ele desliza o dedo indicador na minha bochecha e suavemente puxa meu lábio inferior livrando-o de meus dentes. Ele está me vendo observando,  todo o meu ser se contrai de saudade dele. Ele se inclina para baixo e coloca o beijo suave no meu couro cabeludo. Seu peito musculoso expande quando ele inala profundamente, pressionando meus seios para ele. Eu o observo e os seus olhos estão fechados, o seu êxtase nu e exposto. Oh meu Deus!

Ele coloca as duas mãos sobre os meus ombros e me empurra para longe, o olhar impassível recém-instalado esconde sua vulnerabilidade e quebra o feitiço – Eu me sinto enganada
Maldito seja o seu controle! Eu grito com ele na minha cabeça.
Minha sensação de déjà vu é de repente esmagadora, minha memória joga um mini-filme em minha mente: Eu estou em seus braços em uma calçada em Portland, seu abraço na minha cintura é firme e cada nervo do meu corpo está disposto que ele seja o primeiro a me beijar profundamente, corretamente. – Anastasia, eu não sou o homem para você. Você deve ficar longe de mim.
Eu estou tão ferida agora como eu fiquei naquele dia. Ele confessou mais tarde que ele queria me beijar, mas ele sentia que me devia um aviso para que ele se mantevesse em xeque. Desta vez também, é dolorosamente óbvio o que ele quer fazer, mas ele não pode (ou não quer) ultrapassar a barreira de sua dor e medo.
Meu humor não melhora pelo fato de que ele, naturalmente, está certo. Nós não estamos prontos para ir por esse caminho agora, mas ele ainda faz  minhas coxas trêmulas. Frustração pesada na minha virilha, eu teria que me ajudar depois se eu quizesse vencer esta batalha. -Eu vou mandar um email quando Taylor nos encontrar um lugar, por favor, deixe-me saber que horas podemos busca-los em seu hotel. -sua eficiência empresarial me traz de volta ao presente e convoco toda a minha força interior para igualar a sua brusquidão súbita.
– Claro – veja, eu posso também jogar – Nós só precisamos estar de volta ao hotel às cinco para recolher as nossas malas e ir para o aeroporto. Nosso vôo sai às oito.
– Eu entendo – ele olha pensativo por um momento – Eu estou voando de volta para Seattle amanhã, você está convidada a se juntar a mim. Eu posso ter o nosso plano de vôo alterado para incluir uma parada em Savannah. – ele fica inquieto sobre a minha resposta, mas sua necessidade de controle substitui minha possível reação. Seus olhos são escuros e me sondam.
Estou prestes a decepciona-lo quando meus subconsciente grita, basta pensar nisso. Eu fecho a minha boca novamente e dou um  tempo para enraizar a idéia na minha cabeça. Isso poderia funcionar a nosso favor, é um período muito curto de vôo, mas vamos ficar com ele. Por outro lado, eu vou perder o dinheiro que paguei as passagens comerciais, e eu não tenho certeza de como minha mãe vai receber esta nova organização de viagem.
Ele agarra minha indecisão  – Taylor pode lidar com a companhia aérea em seu nome. Ele deve, no mínimo, ser capaz de alterar os seus dados de ingressos para que você possa usá-los para outra viagem, dessa forma você não vai perdê-los completamente. Eu vou pagar todas as taxas necessárias para as alterações. – ele dá de ombros, enquanto ele tenta, mas não consegue olhar despreocupado.
– Obrigado Christian. É muita gentileza da sua parte. Tenho certeza de que Chris ficará encantado -sorrio um sorriso genuíno e anulo todos os pensamentos sobre minha mãe;. Ela disse para fazer tudo que posso para consertar as coisas.
Alívio misturado com um lampejo de triunfo me diz que eu tomei a decisão certa. Ele coloca a mão logo acima das minhas costas e me conduz até a porta. Eu sei que a melhor coisa que posso fazer agora é ir embora, mas meu coração quer ficar, puxando-me em meu peito. Eu não posso nem me envolver com uma luta interna sobre isso, porque Christian já  tomou a decisão por mim. Eu percebo que ele também tem a certeza de que se eu demorar, não será capaz de manter a cabeça limpa.
– Eu vou levá-la para baixo – ele abre a porta em gestos galantes e me deixa passar primeiro.
Eu ganho tempo pra formular um esquema para evitar outro passeio no elevador com ele. Meu desordenados e confusos  hormônios estão perigosamente acesos.
Eu coloco a minha mão no braço dele e procuro ser sincera e decisiva – Você já fez muito, obrigado. Eu estou bem, eu vou vê-lo amanhã. – eu estico na ponta do pé e o beijo suavemente em seu  rosto.
Ele parece assustado, como se eu tivesse feito algo muito estranho. Seus olhos se arregalaram e ele distraidamente toca a ponta dos dedos no local que eu beijei. Ele mal consegue acenar com a cabeça, um controle cuidadoso desliza apenas por um segundo para revelar sua inquietação.
Eu abraço-me por dentro. Oh, bom trabalho! Viro-me e caminho pelo corredor, mas dou uma olhada por cima do ombro. Ele ainda está de pé na porta olhando perdido em pensamentos. Eu mexo meus dedos sobre minhas costas em uma pequena onda de alegria me faz rir por completo, megawatt.
Eu entro no elevador e desço todos os 36 andares do Conrad Hilton em uma bolha de esperança que enche a minha cabeça. Estou me sentindo positiva novamente. Vai acontecer. O tempo vai ensiná-lo a confiar novamente.

Please, feel free to leave a comment

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s